quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Qual é a maior profundidade do oceano e qual o ponto mais alto da Terra?

VOCÊ SABIA? O Monte Everest, na Cordilheira do Himalaia, tem 8 848 metros de altura. Ele precisaria ser 2 652 metros mais alto para caber dentro da fossa das Ilhas Marianas, na Micronésia, tem 11 500 metros de profundidade. Assim, para ir do ponto mais alto ao mais profundo do planeta seria preciso percorrer 20 348 metros.

Fossa das Ilhas Marianas comparada com o Monte Everest
O ponto mais fundo do oceano é a fossa das Ilhas Marianas, localizada no Oceano Pacífico, cerca de 2 500 quilômetros a leste das Filipinas. É uma espécie de vale submarino e está, na sua parte mais profunda, 11 500 metros abaixo da superfície do mar – o que equivale a sete vezes o tamanho do Grand Canyon, nos Estados Unidos. Já o recorde de profundidade em mergulho foi obtido por Jacques Piccard, oceanógrafo suíço, e Donald Walsh, tenente da Marinha americana. “Ambos comandaram o submersível Triest I, que desceu 35 800 pés (cerca de 11 000 metros) – a maior profundidade oceânica registrada -, no dia 23 de janeiro de 1960, em uma das fossas das Marianas chamada Challenger Deep, a cerca de 360 quilômetros ao sul das Ilhas Guam, no Oceano Pacífico”, diz o oceanógrafo e físico Afrânio Rubens de Mesquita, da USP. O submersível é um pequeno submarino, muito mais resistente à pressão.

Ponto mais alto ou montanha mais alta?

Everest
O Monte Everest é uma montanha onde se encontra o ponto mais alto do mundo, com 8.848 metros de altura em relação ao nível do mar. Porém, ele não é a maior montanha do planeta quando tomada a distância do seu topo em relação ao centro da Terra, título que pertence ao Monte Chimborazo, localizado no Equador.

Chimborazo
A medição faz-se tendo em conta o nível do mar e o Evereste conta com 8.848 metros de altitude, apesar da última medição, realizada por cientistas do Institut de Recherche pour le Développement, em França, lhe ter retirado 4,5 metros.

Mas se medirmos as montanhas do sopé até ao pico, então a mais alta do mundo é Mauna Kea, um vulcão no Hawai que, contando com a parte que está debaixo do mar, eleva-se por 10 mil metros, refere o The Independent, jornal britânico.

Mauna kea
Por outro lado, o pico mais próximo do Espaço situa-se no Equador. O Chimborazo tem 6.268 metros de altitude, mas como a Terra não é uma esfera perfeita, mas achatada nos polos, as montanhas que se situam na linha do Equador aproximam-se mais da estratosfera e, neste aspeto, quem ganha é o Chimborazo.


domingo, 12 de novembro de 2017

Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado

Título VIII    
Da Ordem Social

Capítulo VI    
Do Meio Ambiente

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações.

    § 1º Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao poder público:

        I -  preservar e restaurar os processos ecológicos essenciais e prover o manejo ecológico das espécies e ecossistemas;

        II -  preservar a diversidade e a integridade do patrimônio genético do País e fiscalizar as entidades dedicadas à pesquisa e manipulação de material genético;

        III -  definir, em todas as unidades da Federação, espaços territoriais e seus componentes a serem especialmente protegidos, sendo a alteração e a supressão permitidas somente através de lei, vedada qualquer utilização que comprometa a integridade dos atributos que justifiquem sua proteção;

        IV -  exigir, na forma da lei, para instalação de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente, estudo prévio de impacto ambiental, a que se dará publicidade;

        V -  controlar a produção, a comercialização e o emprego de técnicas, métodos e substâncias que comportem risco para a vida, a qualidade de vida e o meio ambiente;

        VI -  promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente;

        VII -  proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade.

    § 2º Aquele que explorar recursos minerais fica obrigado a recuperar o meio ambiente degradado, de acordo com solução técnica exigida pelo órgão público competente, na forma da lei.

    § 3º As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados.

    § 4º A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do Mar, o Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira são patrimônio nacional, e sua utilização far-se-á, na forma da lei, dentro de condições que assegurem a preservação do meio ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos naturais.

    § 5º São indisponíveis as terras devolutas ou arrecadadas pelos Estados, por ações discriminatórias, necessárias à proteção dos ecossistemas naturais.

    § 6º As usinas que operem com reator nuclear deverão ter sua localização definida em lei federal, sem o que não poderão ser instaladas.

Além de um capítulo específico para o meio ambiente, a atual Constituição ampliou os mecanismos para a defesa da natureza, conferindo a qualquer cidadão o direito de propor ação popular para proteger o meio ambiente, o patrimônio histórico etc. Ampliou a autonomia do Ministério Público na defesa de questões socioambientais. Muitos textos legais anteriores à Constituição de 1988 foram recepcionados por ela, entre eles a Lei 6.938/1981 e a Lei 7.347 de 24/07/1985, o que conferiu maior eficácia à proteção do meio ambiente e a outros direitos difusos mediante ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artísticos, estéticos, históricos e paisagísticos. Foi estabelecida uma distribuição melhor da competência para legislar sobre matéria ambiental entre os entes da federação brasileira. Outras inovações importantes são as seguintes: estabeleceu o respeito ao meio ambiente e o aproveitamento racional dos recursos como um dos requisitos para caracterizar a função social da propriedade rural; incluiu os sítios ecológicos como elementos do patrimônio cultural e estabeleceu disposições em defesa de grupos vulneráveis, como povos indígenas, garimpeiros, crianças, idosos e deficientes físicos.

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

ARACNO GAME

Parabéns, você está correto!

Não seria exagero dizer que esse pequeno animal é de outro mundo. Seu nome? Tardígrado, também chamado de urso d’água ou leitões do musgo. Essas criaturas são na verdade invertebrados do filo Tardigrada, possuindo oito patas, cada pata possui de quatro a oito pequenas garras e seu corpo varia de 0,05 a 1,25 mm.
Um gene específico os ajuda a sobreviver a situações de ebulição, congelamento e radiação. Até mesmo dentro de nós, no futuro, acreditam cientistas, ele poderia ser usado para proteger as células humanas.
Já se sabia que tardígrados eram capazes de sobreviver a condições extremas, em qualquer parte do planeta "murchando" a ponto de se tornarem bolinhas desidratadas. Agora, pesquisadores na Universidade de Tóquio, identificou uma proteína que protege o seu DNA - "embrulhando-o" como se fosse uma espécie de cobertor.

(DEIXE SEU COMENTÁRIO NA POSTAGEM PRA MOSTRAR QUE VOCÊ CHEGOU ATÉ AQUI)

O START para a próxima etapa do jogo estará disponível dia 06/11, se você não conhece o ARACNO GAME clique em INICIAR.


sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Defensores do Pantanal temem que nova lei fragilize proteção ambiental

Em razão da dependência do Pantanal com os rios em seu entorno, estudiosos temem que a agricultura e o desmatamento avancem ainda mais nas nascentes da região


O Pantanal, patrimônio ambiental brasileiro, reconhecido pela ONU como Patrimônio Natural da Humanidade e Reserva da Biosfera, passa por um momento chave para seu futuro.
Avança no Congresso o Projeto de Lei 750, também conhecido como "Lei do Pantanal", que tramita desde 2011. Trata-se de uma norma para apoiar a preservação do bioma e que deveria ter sido criada desde 1988, mas que nunca saiu do papel.
O Pantanal é uma planície inundável localizada na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai (BAP) e possui território em Mato Grosso do Sul e Mato Grosso - além de Paraguai e Bolívia. As águas das partes altas da região descem para a planície, formando assim a maior área úmida continental do planeta.
Para acadêmicos e ambientalistas, o texto em discussão, caso aprovado como está hoje, ao invés de aumentar a preservação pode agravar a destruição da região, por flexibilizar as regras para o avanço do desmatamento e não criará método de controle eficaz. Dessa forma, aquela que seria a última grande chance de criar uma norma efetiva para proteger a área pode se tornar mais um fator de degradação.


O projeto determina que os Estados e os municípios definam parâmetros sobre os itens que constam no texto mediante um mecanismo que não existe em nenhum dos Estados que formam o Pantanal, o Zoneamento Ecológico Econômico (ZEE). No caso de não haver ZEE, a liberação para transformação da área fica condicionada a "estudos" que comprovem que a atividade é viável.
A medida preocupa especialistas, que temem que a falta de determinação expressa na legislação traga fragilidade à proteção do lugar e favoreça a degradação do bioma. Pesquisadores defendem regras mais específicas na Lei do Pantanal.

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Brasileiro vence concurso com imagem de tamanduá e cupins bioluminescentes

Categoria 'Animais em seus ambientes' do 'Wildlife Photographer of the Year'

O fotógrafo brasileiro Marcio Cabral foi um dos vencedores da edição 2017 do “Wildlife Photographer of the Year”, um dos principais concursos internacionais de fotografia de natureza, com a foto de um tamanduá-bandeira devorando cupins bioluminescentes durante a noite no Parque Nacional das Emas (GO). O anúncio ocorreu na noite da terça-feira, dia 18, no Museu de História Natural de Londres, organizador da competição.
O registro foi batizado de “The Night Raider”. A categoria em que ele venceu foi “Animais em seus ambientes”.
De acordo com a descrição da imagem divulgada pelo site do concurso, Cabral passou três anos visitando o parque à espera das condições adequadas para fazer a foto. Depois de dias de chuva, um tamanduá atacou o cupinzeiro por tempo suficiente para que o fotógrafo fizesse uma única imagem de longa exposição.
Cabral, que é formado em geografia, começou a fotografar profissionalmente há 20 anos. O trabalho dele já foi publicado em várias revistas de turismo e livros. Ele também realiza workshops e organiza expedições fotográficas no Brasil e em países vizinhos.

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Capivaras mortas são encontradas na represa de Itupararanga

Também foram encontrados Urubus mortos, suspeita-se que eles comeram os restos das capivaras


O setor de Zoonoses de Ibiúna (SP) esteve no local para retirar os animais, que devem ser encaminhados a um laboratório na capital para análise. A causa das mortes ainda é desconhecida.
De acordo com a polícia Ambiental, o caso foi denunciado por moradores da região. A presença de animais mortos às margens da represa em Piedade (SP) e até dentro da água atraiu a presença de dezenas de urubus.
Além das capivaras, em outra parte da represa foram encontrados urubus mortos. A suspeita é de que as aves tenham morrido após comer a carne dos roedores.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017