terça-feira, 13 de junho de 2017

Maceió tem ruas e praias tomadas pelo lixo após chuvas

Uma amostra da lei do retorno, jogue lixo e receba lixo.


A humanidade vive hoje o que começou ontem, isso é assim com todas as escolhas da vida. E claro que isso não seria diferente com o lixo, ontem a humanidade jogava lixo nas ruas, rios, praias e hoje precisa recolher todo esse lixo. Mas será que a humanidade vai aprender? ou viverá neste ciclo?
Quando você separa o lixo reciclável você foge desse ciclo, mas isso não é o suficiente, faça da sua escolha uma educação contínua.

Agora é a vez de Maceió AL

A Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Slum) recolheu mais de mil toneladas de lixo na última semana em Maceió. Apenas no Riacho Salgadinho, mais de 250 toneladas de lixo foram recolhidas durante este período de fortes chuvas.
A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) divulgou nesta segunda uma nota informando que as viagens foram interrompidas para retirada de entulhos que atingiram os trilhos durante o período chuvoso no estado.
Os trilhos que foram mais prejudicados estão localizados em Goiabeira, Sururu de Capote e ABC, em Fernão Velho.


Equipes que trabalham com a limpeza em Maceió intensificaram os trabalhos para garantir a normalidade nos pontos mais críticos da cidade.

Por meio de nota, a assessoria de comunicação da Slum informou que o diretor de operações do órgão já se dirigiu ao local da antiga favela do Jaraguá para solucionar os problemas. A secretaria ainda afirmou que as equipes continuam trabalhando para que a situação do acúmulo de lixo seja normalizada em toda a cidade.
Segundo o secretário do órgão, Davi Maia, a população também precisa ajudar e tentar reciclar o máximo de resíduos possível.
“Muitos desses materiais poderiam ter sido reciclados, como garrafas PET e outros. Outros itens de descarte volumoso, a Slum pode ir buscar na casa do cidadão de forma gratuita, como TVs velhas. Ou seja, precisamos contar com a população. Esse material não precisa parar nos riachos e córregos”, explicou Maia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário